Padrões de qualidade do ar externo: por que eles não funcionam em ambientes fechados

22 de março de 2023

Muitas pessoas podem se perguntar por que a preocupação com a qualidade do ar interior cresceu tanto nos últimos anos. Podem achar que, se já existem leis para a qualidade do ar atmosférico, não faria sentido dar atenção diferenciada para o ar que respiramos dentro de casa ou do ambiente de trabalho. A seguir te mostramos alguns motivos:

1. Vírus respiratórios se espalham mais facilmente em ambientes fechados

As leis mundiais de poluição atmosférica se referem basicamente a monóxido de carbono (CO), chumbo (Pb), dióxido de nitrogênio (NO 2 ), ozônio (O 3 ), material particulado (PM) e dióxido de enxofre (SO 2 ). Os vírus, uma preocupação bastante atual, não são considerados.

É certo que alguns patógenos “pegam carona” no material particulado. No entanto, os pesquisadores agora têm evidências abundantes de que o COVID-19 se espalha por aerossóis – ou seja, gotículas microscópicas de líquidos e vírus no ar. E os aerossóis carregados de vírus têm maior probabilidade de infectar pessoas em espaços internos mal ventilados.

Uma pesquisa descobriu que menos de 10% das infecções globais por COVID ocorreram ao ar livre. Outro estudo de 2021 descobriu que “[…] na maioria dos casos, o risco externo é muito menor do que o risco interno. Assim, as tentativas de reduzir o material particulado da combustão (como o NAAQS) “não terão efeito na propagação da doença”.

O COVID-19 provavelmente não é o único vírus com essa dicotomia externa/interna. Como relata a Wired , alguns pesquisadores estão começando a concluir que “a maioria dos resfriados, gripes e outras doenças respiratórias devem [também] se espalhar por aerossóis”. Em outras palavras, qualquer padrão de QAI que não considere a periculosidade dos aerossóis virais é incompleto.

2. A incidência de COVs e outros poluentes

Os vírus não são a única coisa que falta nos padrões de qualidade do ar atmosférico. Quase todos os produtos manufaturados exalam compostos orgânicos voláteis (COVs) . Como tendemos a usar esses produtos manufaturados em ambientes internos, o ar interno será mais suscetível à contaminação por COVs. Móveis novos de madeira emitem formaldeído, enquanto vernizes liberam acetona. Desodorizadores contaminam o banheiro com paradiclorobenzeno, enquanto alguns perfumes soltam benzaldeído. 

Embora alguns compostos sejam perigosos em pequenas quantidades, muitos são meramente irritantes; outros não são perigosos até que a concentração atinja níveis verdadeiramente altos. No entanto, algumas pessoas são mais sensíveis que outras. 

Outros perigos invisíveis presentes no ar de ambientes internos são os fungos e as bactérias, que dependem de condições específicas para se proliferarem, muito mais dificilmente encontradas em ambientes externos.

3. PM 2.5 não é o pior material particulado

As leis de poluição atmosférica categorizam as partículas por tamanho: PM 10 e PM 2,5 . PM 2.5 é material particulado com um diâmetro de 2,5 mícrons ou menor. PM 10 é qualquer material particulado com um diâmetro de 10 mícrons ou menor (e, portanto, tecnicamente inclui PM 2,5 ). No entanto, o próprio PM 2.5 deve ser dividido em 2 categorias: PM 2.5 e PM 0.1 – o último dos quais é qualquer partícula de 0,1 mícron de diâmetro ou menor. (PM 0,1 às vezes também é referido como “partículas ultrafinas”.)

Seria sensato criar padrões separados para PM 0.1 (tanto internos quanto externos), pois PM 0.1 parece ser uma forma especialmente perigosa de material particulado. Tem sido associado a doenças cardíacas e diabetes em humanos, e desenvolvimento cerebral prejudicado e câncer em animais . O PM 0,1 é tão pequeno que pode chegar até o cérebro.

4. É difícil diluir contaminantes dentro dos edifícios

Imagine se, em vez de tomar o veneno, Romeu tivesse despejado seu minúsculo frasco em um grande lago. Alguém que bebesse a água do lago seria envenenado? A menos que ele tenha usado uma toxina radioativa de nível militar… provavelmente não. O cenário mais provável é que o contaminante seja diluído a ponto de ser quase indetectável.

O mesmo princípio se aplica à qualidade do ar ambiente versus qualidade do ar do edifício.  Mesmo com ventilação adequada, é mais difícil diluir os contaminantes no interior, como ilustra este vídeo. Parcialmente por esse motivo, muitos contaminantes internos são encontrados em concentrações 2 a 5 vezes maiores que no ar externo . Os padrões internos precisam considerar esse fato ao definir níveis de exposição aceitáveis.

A importância dos padrões de QAI

Das 6,7 milhões de mortes globais a cada ano devido à poluição do ar, 3,2 milhões estão relacionadas à exposição em ambientes fechados . Embora a maioria deles ocorra em áreas mais pobres (onde o cozimento ocorre em fogo ou fogão a querosene), essa estatística indica a importância de padrões internos precisos. No entanto, aplicar os mesmos regulamentos dentro e fora simplesmente não funciona. Os padrões internos exigem seus próprios critérios.

Quer saber mais sobre como tornar o ar interno mais saudável? Fale com a Ecoquest.

Logo Ecoquest

A Ecoquest

Somos uma empresa com ampla experiência em soluções para tratamento do ar interno e do ar de exaustão, construindo histórias de sucesso em diferentes segmentos do mercado.

Artigos Relacionados

Mudanças Climáticas: Quais os impactos que devemos esperar na Qualidade do Ar Interno?

A Luz UV Germicida é confiável na Prevenção de Doenças em Ambientes Internos?

Bactérias nocivas em academias: como combatê-las?

Inscreva-se em Nossa Newsletter

Ao se inscrever você concorda com os termos da Política de Privacidade