Baixa qualidade do ar pode estar ligada a resistência a antibióticos

9 de agosto de 2023

Um novo estudo conduzido por cientistas na China e no Reino Unido sugere que reduzir a poluição do ar pode ajudar a mitigar o impacto da resistência a antibióticos.

O estudo publicado esta semana no The Lancet Planetary Health, encontrou uma correlação significativa entre o material particulado no ar e os níveis de resistência a antibióticos, uma associação que os pesquisadores dizem ser consistente em todo o mundo e que se fortaleceu ao longo do tempo.

Os pesquisadores estimam que as mortes prematuras atribuíveis a bactérias resistentes a antibióticos poderiam ser reduzidas em mais de 20% até 2050 se houvesse um maior controle sobre a qualidade do ar inalado pelas pessoas.

Embora os autores do estudo reconheçam que são necessárias mais evidências para verificar a ligação e que o uso excessivo e indevido de antibióticos ainda são os principais impulsionadores da RAM, eles dizem que as descobertas fornecem mais informações sobre o papel que o ambiente desempenha na disseminação de bactérias resistentes e sugerem que controlar a poluição do ar pode apresentar um novo caminho para combater a resistência a antibióticos.

“Até agora, não tínhamos uma imagem clara das possíveis ligações entre os dois, mas este trabalho sugere que os benefícios de controlar a poluição do ar podem ser duplos: não apenas reduzirá os efeitos nocivos da má qualidade do ar, mas também também poderia desempenhar um papel importante no combate ao aumento e disseminação de bactérias resistentes a antibióticos”, disse o principal autor do estudo, Hong Chen, PhD, da Universidade de Zhejiang em um comunicado à imprensa.

Assim como as pessoas podem ser expostas a bactérias resistentes por meio de alimentos, água e solo, Chen e seus colegas dizem que esta pesquisa sugere que as pessoas também podem ser expostas a bactérias resistentes presas em partículas finas transportadas pelo ar (PM 2,5), um dos poluentes aéreos mais perigosos. A inalação dessa bactéria pode resultar em infecções no sistema respiratório e em outras partes do corpo, pois o PM2,5 também pode penetrar na barreira pulmonar e entrar no sistema sanguíneo.

Qualidade do ar em ambientes interiores

Como já mostramos aqui, a poluição é ainda mais perigosa em ambientes internos. Uma vez que os contaminantes ficam presos nesses ambientes, é mais provável que eles entrem em contato com nossos pulmões. E mesmo com uma ventilação adequada, é mais difícil diluir os contaminantes internamente. Por essa razão, muitos contaminantes internos são encontrados em concentrações de 2 a 5 vezes mais altas do que no ar externo.

Felizmente, já existem soluções modernas e sustentáveis para isso: tecnologias de purificação do ar em camadas podem ajudar a reduzir drasticamente a incidência de partículas finas, vírus, bactérias mofo e outros agentes nos ambientes internos, antes que eles sejam aspirados pelos ocupantes.

Funcionando de maneira totalmente sustentável, a tecnologia ActivePure produz partículas energizadas – radicais hidroxilas, íons superóxidos, hidróxidos, ânions hidroperóxidos e outros – que rapidamente conseguem desmanchar a estrutura molecular de vírus, bactérias, mofo e COVs (gases voláteis). ActivePure possibilita a purificação do ar e das superfícies de maneira contínua, agindo 24/7 em ambientes ocupados.

Para implementar um sistema de descontaminação do ar interior em sua empresa, fale com a Ecoquest.

Logo Ecoquest

A Ecoquest

Somos uma empresa com ampla experiência em soluções para tratamento do ar interno e do ar de exaustão, construindo histórias de sucesso em diferentes segmentos do mercado.

Artigos Relacionados

Mudanças Climáticas: Quais os impactos que devemos esperar na Qualidade do Ar Interno?

A Luz UV Germicida é confiável na Prevenção de Doenças em Ambientes Internos?

Bactérias nocivas em academias: como combatê-las?

Inscreva-se em Nossa Newsletter

Ao se inscrever você concorda com os termos da Política de Privacidade