Novo estudo relaciona qualidade do ar e demência

22 de maio de 2023

A poluição do ar está diretamente associada a diversas doenças como asma e bronquite, mas um relatório divulgado na semana passada por uma equipe de pesquisadores da Universidade de San Diego, nos EUA, mostra que a baixa qualidade do ar também causa um risco significativamente maior de demência.

O estudo teve um período de acompanhamento de 12 anos, avaliando as funções cognitivas de aproximadamente 1.100 homens na faixa dos 40 e 50 anos, com uma idade média de 56 anos.

Os pesquisadores descobriram que os participantes com níveis mais altos de exposição à poluição do ar na faixa dos 40 e 50 anos apresentaram pior funcionamento cognitivo de fluência verbal dos 56 aos 68 anos. Os homens expostos a níveis mais altos de PM2.5 mostraram piores resultados para função executiva e aqueles com maior exposição a NO2 demonstraram piores resultados envolvendo memória episódica.

E as pessoas com APOE-4 (genótipo identificado como um forte fator de risco para a doença de Alzheimer) pareciam ainda mais sensíveis.

Eles analisaram as medidas de exposição a partículas finas (PM2,5) no ar e a dióxido de nitrogênio (NO2), resultante da queima de combustíveis fósseis, e seus impactos sobre memória episódica, função executiva, fluência verbal e velocidade de processamento cerebral 

A pesquisa se baseia em um estudo de 2018 encomendado pelo The Lancet, que listou 12 fatores de risco modificáveis ​​que aumentam o risco de demência, incluindo três novos: álcool excessivo, traumatismo craniano e poluição do ar.

O relatório do Lancet concluiu que a mitigação de 12 fatores de risco, que incluem outros como educação e depressão na meia-idade, poderia reduzir a incidência de demência em até 40%. 

No entanto, este novo estudo da Universidade de San Diego coloca a poluição do ar ambiente como um risco maior para Alzheimer e demências do que diabetes, falta de atividade física, hipertensão, consumo de álcool e obesidade.

A vida nas grandes cidades

À medida em que a ciência consegue comprovar os impactos da poluição na saúde humana, mais importante se torna a atenção à qualidade do ar de interiores nas grandes cidades.

Ao contrário do que se imagina, os edifícios hermeticamente isolados em que muitos de nós passamos 80% do nosso tempo, não estão imunes à poluição externa. Há décadas se sabe que o ar interno pode ser até 5 vezes mais poluído do que o ar externo. Isso ocorre porque além de represar as sujidades que vêm de fora, os edifícios possuem suas próprias fontes de poluição.

Segundo as Nações Unidas, 68% da população mundial viverá em cidades até 2050. Isso significa que mais pessoas viverão perto de fontes de poluição externa, como aeroportos, estradas e fábricas.

Edifícios bem vedados podem se manter protegidos desses contaminantes, mas apenas à custa de aumentar o dióxido de carbono, VOCs, bactérias e vírus em seu interior. Enquanto isso, edifícios com ventilação suficiente deixam a poluição entrar com facilidade. 

A solução para esse dilema é um equilíbrio entre tecnologia de ventilação que economiza energia e purificação ativa do ar.

Embora os sistemas tradicionais HVAC e purificadores comuns ajudem a circular um ar mais puro, muitos não têm a capacidade de descontaminar totalmente os patógenos transportados, deixando para trás alérgenos, odores ruins e risco de contaminação cruzada. 

A tecnologia ActivePure, fruto de mais de 20 anos de pesquisa e desenvolvimento com base em uma tecnologia da NASA, levam a purificação do ar um passo adiante, tratando, neutralizando e descontaminando rapidamente patógenos perigosos transportados pelo ar. 

Ao contrário dos recursos tradicionais de purificação de ar, ActivePure funciona de forma ativa, indo de encontro às sujidades antes que elas entrem no sistema de ventilação e se espalhem por todos os ambientes do edifício. 

É uma tecnologia testada e aprovada pelo FDA, orgão americano equiparado à ANVISA, com estudos científicos demonstrando sua alta eficácia na inativação do Sars Cov 2, vírus causador da Covid-19. 

Não à toa, empresas no mundo todo passaram a adotar esta tecnologia no retorno às atividades pós pandemia, proporcionando mais segurança no ambiente de trabalho. 

Para saber mais sobre tecnologias de purificação do ar de interiores, fale com a Ecoquest.

Logo Ecoquest

A Ecoquest

Somos uma empresa com ampla experiência em soluções para tratamento do ar interno e do ar de exaustão, construindo histórias de sucesso em diferentes segmentos do mercado.

Artigos Relacionados

4 conceitos equivocados em Qualidade do Ar Interno

Como evitar a propagação de doenças invernais nos escritórios

Mudanças Climáticas: Quais os impactos que devemos esperar na Qualidade do Ar Interno?

Inscreva-se em Nossa Newsletter

Ao se inscrever você concorda com os termos da Política de Privacidade