10 perguntas sobre o uso do Ozônio como descontaminante de ambientes internos desocupados

14 de abril de 2021

A aplicação do gás ozônio em ambientes internos pode ser uma grande aliada na luta contra contaminações, principalmente neste período de sérias preocupações com a segurança microbiológica em ambientes com alta rotatividade de pessoas. Conheça um pouco mais essa tecnologia:

1.Por que ozônio?

Na estratosfera terrestre, o ozônio existe em altas concentrações e atua como um escudo que absorve a maior parte da radiação ultravioleta do sol, daí o termo “camada de ozônio”. Mas como agente esterilizante, o ozônio tem um papel muito diferente: ele é um potente agente antimicrobiano. Na verdade, é o oxidante mais eficaz conhecido pelo homem.

2.A desinfecção com ozônio é uma tecnologia nova?

Não. O primeiro gerador de ozônio foi desenvolvido pelo cientista alemão Werner Von Siemens em 1857, para descontaminar a água. Os primeiros estudos sobre o ozônio como desinfetante do ar ocorreram no início do século XX. 

3. Quais os efeitos de uma desinfecção com ozônio?

O Ozônio é capaz de inativar vírus, bactérias, fungos e diversos micro-organismos nocivos à saúde humana. Além de desinfetar, o ozônio é um potente desodorizador natural, eliminando odores desagradáveis do ambiente. Cheiro de cigarro, cheiro de comida, mofo e muitos outros odores são facilmente eliminados do ambiente com o uso do ozônio.

4.Como é feita a aplicação?

Um dispositivo gerador do gás é inserido no ambiente interno, que deve estar totalmente desocupado e fechado. Após insuflar o gás no ambiente por determinado tempo, abrem-se portas e janelas para que o gás se dissipe.

5. Quais segmentos do mercado podem se beneficiar da descontaminação com ozônio?

Há muitos anos, hospitais, indústria alimentícia e farmacêutica adotaram a desinfecção com ozônio para uma maior segurança em seus processos. Hoje em dia, como a pandemia, a sanitização com ozônio vem sendo muito aplicada em condomínios, clínicas médicas e dentais, além de salas comerciais que tenham sido ocupadas por pessoas infectadas. Ainda, qualquer ambiente com ocupação rotativa, como quartos de hotel, aeronaves, escritórios e navios de cruzeiro, se beneficiam muito da desinfecção de vírus, bactérias e outros riscos à saúde usando o ozônio.

6.O ozônio inativa o Coronavírus?

O ozônio demonstrou ser altamente eficaz para inativar o vírus da SARS, apresentando uma taxa de inativação não inferior a 99%. O SARS-CoV2 (2019), um vírus envelopado como todos os outros coronavírus, mostra 80% de similaridade de sequência do genoma com o SARS-CoV (2002) e isso sugere que o ozônio pode ser igualmente eficaz no novo coronavírus.

7.Quais as vantagens de se usar ozônio na desinfecção de ambientes?

Ele é facilmente gerado, atinge as superfícies mais difíceis de se alcançar em uma área de exposição e se dissipa rapidamente após a aplicação, sem deixar residuais de qualquer natureza. Cômodos inteiros e todos os materiais dentro dos ambientes (cortinas, tapetes, portas, maçanetas, cantos das paredes, piso abaixo de móveis, etc.) podem ser sanitizados muito mais completamente.

8. Existe alguma contraindicação para o uso do ozônio?

A única contraindicação diz respeito à ocupação do ambiente. Para uma aplicação segura, é necessário que o local esteja totalmente desocupado. Importante salientar também que o ozônio tem eficácia pontual. Ou seja, se depois da descontaminação o ambiente for exposto novamente a outra fonte de contaminação, será necessário realizar numa nova aplicação. Outras tecnologias ativas de satinização, como o peróxido de hidrogênio, são mais modernas nesse sentido, pois atuam de forma contínua e preventiva, em ambientes ocupados, evitando que uma nova contaminação aconteça.

9.Existe legislação específica que regulamenta?

O ozônio é um gás que em altas concentrações se torna tóxico para os humanos. No Brasil, a regulamentação está na MR15 de saúde ocupacional, que coloca como limite máximo a exposição durante 8 horas de 0,08ppm de gás ozônio. Como a medição não é 100% segura, as boas práticas exigem que a aplicação do ozônio seja feita somente em ambientes desocupados.

10. É uma tecnologia ecológica?

Totalmente. Por se tratar de um gás instável, ele se transforma espontaneamente em oxigênio e se dissipa rapidamente na atmosfera, sem causar nenhum dano ao meio ambiente. Além disso, não deixa nenhum residual que possa pôr em risco a saúde de adultos, crianças, animais ou plantas.

Fontes:

https://www.acidadeon.com/campinas/cotidiano/coronavirus/NOT,0,0,1542975,unicamp+reage+contra+uso+de+seu+nome+em+produtos+anticovid.aspx

https://infrafm.com.br/Textos/1/21610/Fabricante-de-geradores-de-oznio-finaliza-2020-com-resultados-otimistas

https://www.japantimes.co.jp/news/2020/08/26/national/science-health/research-coronavirus-ozone/#.X0lE09NKi3K

https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/opiniao/colunistas/egidio-serpa/covid-19-unicamp-testa-e-aprova-gas-ozonio-e-agua-ozonizada-1.2956185

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7595067/

Logo Ecoquest

A Ecoquest

Somos uma empresa com ampla experiência em soluções para tratamento do ar interno e do ar de exaustão, construindo histórias de sucesso em diferentes segmentos do mercado.

Artigos Relacionados

Ondas de Calor: passando cada vez mais tempo em ambientes climatizados, precisamos mais que nunca atentar para Qualidade do Ar Interior

Qualidade do Ar em Manaus evidencia urgência por tecnologias de tratamento do ar interior

Movimento liderado por mães pede mais qualidade do ar nas escolas de Winsconsin

Inscreva-se em Nossa Newsletter

Ao se inscrever você concorda com os termos da Política de Privacidade