ASHRAE 241: Implementando um Plano de Preparação de Edifícios para Conter Transmissão de Doenças

29 de agosto de 2023

À medida que a COVID-19 persiste, a qualidade do ar interior tornou-se uma prioridade máxima para os proprietários de negócios. Em resposta, a ASHRAE lançou sua Norma 241-2023, que inclui um Plano de Preparação de Edifícios (BRP) atualizado e especificado para melhorar a qualidade do ar interior. Isso representa um passo significativo para garantir que os proprietários e gerentes de edifícios estejam tomando as medidas necessárias para proteger seus ambientes de contaminantes prejudiciais e conter a transmissão de doenças e infecções.

A Norma ASHRAE 241 atualizada fornece diretrizes para que os gerentes de edifícios desenvolvam um Plano de Preparação de Edifícios que possa ser usado em crises, pois é uma coleção de todas as informações necessárias para melhorar a qualidade do ar e permanecer aberto durante surtos de alto risco.

O plano descreve estratégias para melhorar a qualidade do ar interior, mas com um foco maior na transmissão de doenças a longo prazo, em vez da qualidade geral do ar. Essas medidas podem ajudar a reduzir a propagação de vírus perigosos transmitidos pelo ar, incluindo o COVID-19. Ao implementar tais medidas, as empresas podem criar um ambiente melhor para os funcionários e clientes.

Quatro aspectos principais são necessários para qualquer Plano de Preparação de Edifícios: Foco, Intervenção, Preliminares e Documentação.

1. Foco

O BRP documenta os esforços para alcançar um “fluxo de ar limpo equivalente para o controle de infecções”. O fluxo de ar limpo equivalente é a taxa de fluxo necessária para garantir que haja ar não contaminado/não infeccioso suficiente por pessoa em um espaço. Isso pode ajudar a identificar áreas de preocupação que possam exigir medidas alternativas, como aumentar a ventilação ou a limpeza do ar.

2. Intervenção

Este aspecto analisa mais detalhadamente as medidas que devem ser tomadas para garantir um fluxo de ar limpo equivalente. Dois controles que podem ser usados para determinar se as medidas alternativas são eficazes são o controle de engenharia e os controles não relacionados à engenharia.

Os controles de engenharia incluem qualquer tipo de tecnologias de ventilação, filtragem ou limpeza do ar. Seria útil incluir informações sobre especificações técnicas e requisitos, bem como horários de operação e manutenção. Qualquer ferramenta que aumente a ventilação, purifique o ar ou filtre contaminantes seria considerada um controle de engenharia. Por exemplo, você pode considerar adicionar uma unidade de purificação de ar em dutos ao seu sistema de HVAC que seja capaz de inativar patógenos e bactérias, como é o caso de ActivePure, que costumam passar despercebidos pelos filtros de HVAC que visam apenas partículas maiores.

Um Plano de Preparação de Edifícios de qualidade também identifica os três modos de operação, quando devem ser usados e como suas taxas de fluxo-alvo mudam. Os três modos incluem o modo de mitigação de risco de infecção, o modo normal e o desligamento temporário. Esses protocolos são usados para proteger a segurança e o bem-estar dos ocupantes do edifício e devem ser usados para determinar como proceder em situações com fatores de alto risco.

Por outro lado, os controles não relacionados à engenharia referem-se a qualquer coisa que não esteja relacionada aos controles anteriores de ventilação, filtragem e limpeza do ar. Você pode querer incluir informações sobre a ocupação do edifício, equipamento de proteção pessoal, distanciamento social e procedimentos de limpeza. Pode ser útil pensar nos controles não relacionados à engenharia como formas pelas quais nós, como seres humanos, podemos ajudar a reduzir o risco de transmissão por meio de procedimentos diários, como limpeza ou optar por usar uma máscara quando estamos doentes.

3. Preliminares

Antes de começar a redigir o Plano de Preparação de Edifícios da sua organização, você deve passar por um processo preliminar de três etapas para coletar os dados necessários sobre as tecnologias e os procedimentos de intervenção atuais.

O primeiro passo é uma avaliação inicial dos sistemas de ventilação, filtragem e limpeza do ar existentes – sua capacidade, operação, manutenção e especificações. Também requer uma avaliação detalhada do espaço, que pode incluir o volume da sala ou o horário de ocupação. Isso permitirá determinar quais medidas alternativas são necessárias, bem como quando e onde.

Após a avaliação inicial, você pode começar as fases de planejamento e implementação, que envolvem calcular a diferença entre a taxa de fluxo de ar limpo equivalente alvo e a produção/capacidade real dos sistemas atuais.

Por fim, a etapa de comissionamento é onde as metodologias de intervenção são testadas. Isso permite verificar se os métodos e tecnologias alternativos adicionados durante a fase de planejamento têm sucesso em atingir o objetivo previsto.

4. Documentação

O aspecto mais fácil, mas frequentemente negligenciado, de um Plano de Preparação de Edifícios é que ele seja documentado fisicamente em algum lugar, seja online ou por meio de uma cópia impressa. É necessário escrever o seu BRP para que ele seja acessível a todos os funcionários e possa ser avaliado, mantido e atualizado.

De acordo com a nova norma, um BRP deve ser atualizado sempre que:

  • Houver alterações nos edifícios ou sistemas;
  • Forem feitas alterações no uso do edifício ou na categoria de ocupação do espaço;
  • Ocorrer uma mudança significativa na densidade de ocupação;
  • Ou forem feitas outras alterações inconsistentes com as suposições do projeto do sistema.

Com a Norma ASHRAE 241 atualizada, os proprietários e administradores de edifícios agora podem criar Planos de Preparação de Edifícios que os ajudem a se preparar e responder a períodos de maior risco de transmissão de infecções e patógenos.

Ao focar na qualidade do ar, os proprietários de negócios podem garantir que estão trabalhando ativamente para reduzir os fatores de risco para seus habitantes. A nova norma fornece diretrizes essenciais para criar um Plano de Preparação de Edifícios que possa ajudar as empresas a identificar problemas potenciais antes que eles se agravem, além de reduzir o risco de transmissões de vírus pelo ar em seus espaços.

Em resumo, ter um Plano de Preparação de Edifícios que se concentre na qualidade do ar interior é essencial para criar ambientes de trabalho e convivência estáveis para todos.

Logo Ecoquest

A Ecoquest

Somos uma empresa com ampla experiência em soluções para tratamento do ar interno e do ar de exaustão, construindo histórias de sucesso em diferentes segmentos do mercado.

Artigos Relacionados

Banheiros em Shopping Centers: Soluções Eficientes para Neutralização de Odores

Shopping Centers: como neutralizar odores nas centrais de descarte

Agência ambiental americana endurece leis de qualidade do ar

Inscreva-se em Nossa Newsletter

Ao se inscrever você concorda com os termos da Política de Privacidade